Cern faz avanços na produção de antimatéria

Fonte: http://info.abril.com.br/
06/12/2010
SÃO PAULO – Depois de anunciar, no mês passado, que havia conseguido manter estáveis pela primeira vez átomos de anti-hidrogênio, o Cern faz novos avanços rumo à produção de feixes do material.
O experimento ASACUSA, do Centro Europeu de Pesquisa Nuclear (CERN) deu mais um passo em uma nova técnica para estudar antimatéria. Usando um novo “capturador” de partículas, o chamado CUSP, ele conseguiu produzir uma quantidade significativa de anti hidrogênio.
Por definição, a antimatéria é idêntica à matéria, a não ser pelo fato de possuir carga oposta. Por isso, as duas se aniquilam quando entram em contato uma com a outra. A antimatéria permanece um dos maiores mistérios da ciência. Ou melhor, a ausência de antimatéria é um grande mistério. Segundo todos os cálculos astronômicos, no momento do Big Bang (a grande explosão que, de acordo com as teorias mais aceitas, deu origem ao Universo) matéria e antimatéria devem ter se formado em quantidades equivalentes. No entanto, nós sabemos que nosso mundo é feito de matérias – enquanto a antimatéria parece ter desaparecido. É justamente para descobrir o que aconteceu com ela que os cientistas usam uma série de métodos – um deles é justamente utilizar um dos sistemas mais bem estudados da física, o átomo de hidrogênio, composto de um próton e um elétron, e checar se sua parte contrária, o anti-hidrogênio (feito de um antipróton e um pósitron) se comporta da mesma maneira.
O desafio está em produzir os átomos de anti-hidrogênio e mantê-los longe da matéria por tempo suficiente para estudá-lo. A abordagem do ASACUSA é complementar ao do experimento ALPHA, que reportou novos resultados no jornal Nature, em 17 de novembro.
O sistema usa uma combinação de campos magnéticos, como os do ALPHA, para unir antiprótons e pósitrons juntos e formam átomos de antihidrogênio. Ele então os coloca em um túnel a vácuo aonde podem ser estudados em vôo. Até agora, somente alguns átomos de antihidrogenio foram produzidos dessa forma. O objetivo final do experimento é produzir material suficiente para investigar seu comportamento em detalhes, com a ajuda de microondas.
Atualmente, o CERN é o único laboratório do mundo com um instrumento antipróton no qual essa pesquisa pode ser feita. O programa do “anti-hidrogênio” começou há mais de uma década: foi em 1995 que os primeiros nove átomos foram produzidos no CERN. Em 2002, os experimentos ATHENA e ATRAP mostraram que é possível produzir anti-hidrogênio em larga escala, aumentando a possibilidade de conduzir estudos mais detalhados.
Os resultados publicados hoje no Physical Review Letters são somente mais uma etapa desse processo.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: