Cientistas criam partículas que permitem ficar vivo sem respirar

Fonte: Gizmodo
Cientistas criam partículas que permitem viver sem respirar

Isto parece ter saído de um filme de ficção científica: pesquisadores criaram micropartículas que podem ser injetadas direto na corrente sanguínea, para oxigenar seu corpo mesmo que você não possa mais respirar. Este é um dos melhores avanços médicos dos últimos anos, e pode salvar vidas.

Uma equipe do Boston Children’s Hospital desenvolveu as micropartículas, que vão permitir a pessoas com insuficiência respiratória continuarem vivas por 15 a 30 minutos. É tempo o bastante para médicos e a equipe de emergência agirem sem que o paciente corra risco de ataque cardíaco ou danos cerebrais permanentes.

A solução já havia sido testada em animais com falência pulmonar. Quando os médicos injetaram este líquido nas veias do paciente, ele restaurou o oxigênio no sangue a níveis quase normais, dado a eles preciosos minutos adicionais de vida.

Partículas de gordura e oxigênio

As partículas são compostas de gás oxigênio embolsado em uma camada de lipídios, um tipo de molécula que geralmente armazena energia, ou serve de componente para a membrana celular. Lipídios podem ser triglicérides, vitaminas (como A e D) ou – como neste caso – gordura.

Estas partículas gordurosas de oxigênio têm 2 a 4 micrômetros de diâmetro. Elas ficam suspensas em uma solução líquida que pode ser facilmente levada e usada por paramédicos, equipes de emergência e de UTI. Este elixir leva “de três a quatro vezes o conteúdo de oxigênio em nossos próprios glóbulos vermelhos”.

Ideias semelhantes não deram certo antes porque causavam embolia: ou seja, as partículas bloqueavam os vasos sanguíneos, em vez de levar oxigênio pelo corpo. De acordo com John Kheir, médico no Departamento de Cardiologia do Boston Children’s Hospital, eles resolveram o problema usando partículas deformáveis, em vez de bolhas:

Nós resolvemos o problema empacotando o gás em partículas pequenas e deformáveis. Elas aumentam dramaticamente a superfície para troca de gás, e são capazes de passar por capilares onde o gás livre iria ficar preso.

Kheir teve a ideia de uma solução injetada de oxigênio depois de tratar uma garotinha em 2006. Devido a uma hemorragia pulmonar causada por pneumonia, a menina sofreu danos cerebrais graves que acabaram levando à sua morte, antes mesmo que a equipe médica pudesse colocá-la em uma máquina coração-pulmão, que oxigena o sangue e o bombeia de forma temporária.

Pouco tempo depois, Kheir reuniu uma equipe de engenheiros químicos, cientistas de partículas e médicos para trabalhar na ideia, que teve resultados promissores desde o início:

Alguns dos experimentos mais convincentes foram os primeiros. Nós tiramos o sangue uns dos outros, misturamos em um tubo de ensaio com as micropartículas, e vimos o sangue azul [não-oxigenado] se transformar imediatamente em vermelho, bem na frente de nossos olhos.

Parece magia, mas era só o início do que, após anos de investigação, se tornou este líquido que devolve a vida – mesmo que por alguns minutos.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: