NASA começa a trabalhar em uma versão real da dobra espacial de Star Trek

Talvez uma experiência Star Trek antes de nós morremos não seja uma possibilidade remota.” Essas são palavras do Dr. Harold “Sonny” White, Chefe do Tema de Propulsão Avançada do Engineering Directorate da NASA. O Dr. White e seus colegas não só acreditam que uma versão na vida real da dobra espacial seja teoricamente possível; eles já começaram a trabalhar na criação de uma.

Sim. Uma dobra espacial de verdade, Scotty.

Quando o assunto é exploração espacial, ainda somos homens das cavernas. Chegamos à Lua e mandamos alguns robôs durões a Marte. Nós também já temos aquelas portas automáticas que se abrem suavemente quando alguém chega perto, mas isso é tudo. É legal, mas estamos longe de ser a civilização espacial de que precisaremos se quisermos sobreviver por milênios.

Com as nossas tecnologias de propulsão atuais, as viagens interestelares são impossíveis. Mesmo com tecnologia experimental, como propulsores de íon ou uma nave cuspindo loucamente explosões nucleares, seriam necessárias quantidades colossais de combustível e massa para chegar a qualquer estrela próxima. E o pior: levaria décadas (séculos, talvez) para cumprir o trajeto. A viagem seria inútil para os que ficassem. Apenas aqueles que embarcassem na procura por um novo sistema estelar colheriam os frutos desse gigantesco esforço. Simplesmente não é algo viável.

Assim, precisamos de alternativas. Uma que nos permita viajar de forma extremamente rápida sem quebrar as leis da física. Ou como diz o Dr. White: “queremos ir, muito rápido mesmo, enquanto observamos o 11º mandamento: Não ultrapassarás a velocidade da luz.”

Procurando por bolhas de dobra
A resposta reside precisamente naquelas leis da física. O Dr. White e outros físicos encontraram brechas em algumas equações matemáticas brechas que indicam que saltar no tecido espaço temporal pode sim ser possível.

Trabalhando na NASA Eagleworks, uma operação à parte dentro do Centro Espacial Johnson, da NASA, a equipe do Dr. White está tentando provar essas brechas. Eles “iniciaram um teste com interferômetro que tentará gerar e detectar uma instância microscópica de uma pequena bolha de dobra” usando um instrumento chamado Interferômetro de Campo de Dobra White Juday.

Ao criar uma dessas bolhas de dobra, o motor da aeronave comprime o espaço à frente e expande o espaço atrás, movendo-se para outro local sem estar se movimentando de fato e deixando de lado os efeitos adversos de outros meios de viajar. De acordo com Dr. White, “ao aproveitar a física da inflação cósmica, as naves do futuro criadas para satisfazer as leis dessas equações matemáticas talvez serão capazes de chegar aos lugares de forma impensavelmente rápida e sem os efeitos adversos.”

Ele diz que, se tudo for confirmado nesses testes práticos, nós poderemos criar um motor que nos levará à Alfa Centauro “em duas semanas se medido por relógios aqui na Terra.” O tempo será o mesmo na nave e na Terra, ele afirma, e não haverá “forças de marés dentro da bolha, nenhum problema inesperado e a aceleração de fato será zero. Quando você liga o campo, ninguém será jogado para fora da nave, o que seria uma viagem bem curta e triste.”

O problema da energia, resolvido
Havia apenas um problema com isso tudo: de onde a energia viria? Embora soubéssemos que dobras espaciais eram teoricamente possíveis, os físicos sempre argumentaram que seria necessária uma bola de matéria exótica do tamanho de Júpiter para gerar a energia. Claramente, isso não seria viável. Mas felizmente o Dr. White encontrou a solução que muda o jogo completamente.

A equipe da Eagleworks descobriu que a energia necessária é muito menor do que se pensava. Se eles otimizarem a espessura da dobra espacial e “oscilar sua intensidade para reduzir a rigidez do espaço tempo,” eles serão capazes de reduzir a quantidade de combustível para uma tangível: em vez de uma bola de matéria exótica do tamanho de Júpiter, será preciso apenas 500 kg para “mandar uma bolha de 10 metros a uma velocidade efetiva de 10c.”

Isso quer dizer que poderíamos visitar Gliese 581g um planeta similar à Terra, 20 anos-luz distante do nosso em dois anos. Dois anos não é nada. A Magellan levou três anos para circunavegar o nosso planeta de agosto de 1519 a setembro de 1522. Uma viagem de quatro anos para ver um planeta como a Terra é completamente realizável. E ainda existem locais mais próximos para onde podemos mandar robôs e astronautas.

A coisa mais importante aqui é que há uma porta aberta para diferentes tipos de exploração. Que, como o Dr. White diz, “talvez uma experiência Star Trek antes de nós morrermos não seja uma possibilidade remota.” É possível que estejamos testemunhando o início de uma nova era da exploração espacial, uma que finalmente nos levaria do nosso pálido ponto azul para onde nós pertencemos.

Eu não sei quanto a você, mas estou mais empolgando do que quando o Capitão Kirk ganhou a sua primeira cueca de unobtainium.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: