GOOGLE FAZ HOMENAGEM AO 46º ANIVERSÁRIO DE JORNADA NAS ESTRELAS

Em sua página inicial o Google presta hoje uma homenagem ao 46º aniversário da primeira exibição de Jornada nas Estrelas na TV americana.

O doodle animado tem alguns dos sons característicos da série além de uma brincadeira interativa baseada no episódio Arena e algumas outras piadas, nem o redshirt escapa.

Para conferir é só ir para http://www.google.com

Anúncios

ENTERPRISE E A GUERRA ROMULANA – PARTE 2

Meses atrás escrevi aqui uma matéria falando da série de livros de Jornada nas Estrelas – Enterprise, editados pela Pocket Books, que tratam da guerra entre a Terra e seus aliados contra o Império Romulano.

A série se divide em quatro livros, são eles:

 

  • The Good That Men Do (lançado em 2007), escrito por Michael A. Martin e Andy Mangels

 

  • Kobayashi Maru (lançado em 2008), escrito por Michael A. Martin e Andy Mangels

 

  • THE ROMULAN WAR – Beneath The Raptor’s Wing (lançado em 2009), escrito por Michael A. Martin

 

  • THE ROMULAN WAR – To Brave The Storm (lançado em 2011), escrito por Michael A. Martin

 

Sobre os três primeiros já escrevi na matéria anterior, seguem agora meus comentários sobre o quarto e, ao que tudo indica, último livro da série, e que também pode ser considerado o capítulo final de Enterprise:

 

Image

 

THE ROMULAN WAR – To Brave The Storm (lançado em 2011)

 

A história inicia-se em 22 de junho de 2156 a guerra é uma cruel realidade para a Terra e suas colônias que, após os eventos retratados no último livro, encontra-se praticamente sozinha lutando contra um inimigo traiçoeiro e bem armado.

 

A frota de naves da Terra, comandadas pela Enterprise de Jonathan Archer, tenta desesperadamente deter o avanço das naves romulanas, cada vez mais próximas da Terra, ao mesmo tempo em que o Capitão Archer tenta de todas as maneiras conseguir aliados para o combate enquanto os tradicionais aliados dos humanos, em especial os Vulcanos, enfrentam suas próprias tragédias, vítimas dos estratagemas romulanos. Ao mesmo tempo, de dentro das fronteiras do inimigo Trip Tucker trabalha para sabotar o avanço romulano mesmo que isso custe qualquer chance que tenha de um dia voltar para sua antiga vida.

 

A história desenrola-se até agosto de 2161, com um epílogo em 2186, nesse período vemos o desfecho da guerra e o alto custo que ela teve, temos uma idéia do destino final dos principais tripulantes da Enterprise e do nascimento da Federação de Planetas.

 

Novamente escrito apenas por Michael A. Martin a saga, que começou muito bem em The Good That Men Do, infelizmente perdeu muita força nos dois últimos livros.

 

A história é bem distribuída se passando em vários cenários e com vários personagens diferentes, mas em todo o livro parece se arrastar fica a sensação de que a saga, que se passa em cinco anos, poderia ter se resolvido em menos tempo, enquanto algumas situações, criadas nos outros livros, parecem se resolver muito rapidamente e de maneira forçada, apenas porque “era o momento” de se resolverem.

 

A história pode ser considerada o ponto final para Enterprise já que somos apresentados ao destino final da nave e de seus tripulantes, embora uma das situações apresentadas no desfecho possa ser melhor explicada em um futuro livro isso não acrescentaria nada ao final da saga, e nem parece ser a intenção do autor que já está envolvido em outro livro do universo de Jornada, agora com a Nova Geração.

 

Toda a idéia da saga daria uma ótima temporada final para Enterprise, série que eu acho sofreu muito com o desgaste que Jornada enfrentava na televisão após 18 anos de produção ininterrupta, mas que tinha bons atores em bons personagens e uma idéia inicial bem interessante. Pena que essa idéia foi posta em prática de fato apenas na quarta temporada do programa, quando já era tarde demais.

 

Os livros comentados aqui podem ser facilmente encontrados no site da Amazon ou da Simon & Schuster (http://www.simonandschuster.com/), grupo a qual pertence a Pocket Books, também pode ser encontrado ou encomendado nos sites das livrarias Saraiva e Cultura (www.saraiva.com.br / http://www.livrariacultura.com.br) entre outros pontos de venda.

 

Lançamento de biografia do criador do Universo Marvel

Spock na MPB

É do conhecimento dos trekkers que William Shatner e Leonard Nimoy já se arriscaram a soltar o gogó e gravar algumas canções ao longo dos anos.

O nosso querido Sr. Spock já gravou até um vídeoclip onde canta BALLAD OF BILBO BAGGINS  uma canção baseada nos personagens de O SENHOR DOS ANÉIS o resultado pode ser conferido, por sua conta e risco, no link http://www.youtube.com/watch?v=XC73PHdQX04

Mas teria o eterno personagem do Sr. Spock influenciado um dosmaiores nomes da música popular brasileira?

O que acham pela capa de disco abaixo?

Image

A inspiração é inegável, a camisa, o perfil e principalmente o penteado, podem procurar que não irão achar outra foto do Nelson Gonçalves com esse visual, não deixam dúvida que alguém responsável pela produção do disco era fã das viagens da Enterprise.

E quanto ao próprio cantor?

Bastante improvável já que Nelson parecia bem avesso à cultura pop dos anos 70 e também não existem registros de que curtia cosplay.

Segundo o blog Toque Musical o disco PRA VOCÊ foi lançado em 1971 (Jornada no ar na tv brasileira) e na época a carreira de Nelson estava em baixa, ele vivia a incômoda ssituação de ser considerado da “velha guarda”. E PRA VOCÊ de certa forma renovou a carreira do grande cantor,não só no visual da capa que, comparações à parte, era bem diferente dos discos anteriores, mas também no repertório e arranjos.

Como diria um certo meio humano e vulcano: fascinante

Agradecimentos a Helder Costa pela imagem.

ENTERPRISE E A GUERRA ROMULANA

Charles Tucker III foi o engenheiro-chefe da Enterprise NX-01, a primeira nave com motor de dobra 5 da Terra, um oficial competente e que foi fundamental para o sucesso das missões daquela histórica nave. Trip, como gostava de ser chamado, morreu em 2161, vítima de uma explosão na Enterprise, provocada por invasores alienígenas?

Ou

Charles Tucker III foi o maior herói humano nunca creditado durante a Guerra Romulana, e sem suas realizações a Federação de Planetas Unidos, como a conhecemos, jamais viria a existir?

Quem assistiu Enterprise sabe que Trip morreu no último episódio da série intitulado “These Are The Voyages”, polêmica, a história deste episódio dá um salto de sete anos à frente do período de tempo do restante da série e, além disso, é em boa parte narrado em flashback em uma simulação de Holodeck na Enterprise D.

Muito criticado, por entre muitas coisas a morte sem sentido de Trip, este episódio desagradou a muitos fãs da série, felizmente entre eles estavam os escritores Michael A. Marin e Andy Mangels que, “consertando” as coisas, têm criado uma ótima continuidade aos fatos mostrados na TV, em uma série de livros de Enterprise que mergulham na famosa guerra travada com os Romulanos.

Três livros foram publicados pela Pocket Books (editora americana dos livros de Jornada) até o momento. São eles: The Good That Men Do; Kobayashi Maru (não confundir com o livro homônimo que se passa no período da série clássica e foi lançado no Brasil pela Aleph, os livros que estamos comentando levam o pré-título Star Trek Enterprise); The Romulan War – Beneath the Raptor’s Wing e, recentemente lançado em novembro de 2011, The Romulan War – To Brave the Storm.

Tomando cuidado para não estragar a leitura daqueles que quiserem conhecer os livros, e eles merecem muito serem lidos, seguem alguns comentários e impressões sobre os três primeiros já publicados:

The Good That Man (lançado em 2007)

A história começa no início do século 25 quando um já maduro Jake Sisko, escritor de sucesso, recebe a visita de Nog, naquele momento já um oficial da Frota Estelar.

Nog tivera acesso aos arquivos da recentemente exposta Seção 31 e, enquanto pesquisava sobre os dispositivos de dobra do século 22, descobriu um chip isolinear com informações surpreendentes que, se verdadeiras, mudariam completamente o que se sabia sobre o destino de Trip, a guerra com os Romulanos e o nascimento da Federação. Ele procura Jake para mostrar a sua descoberta porque acha que ele, com suas habilidades de jornalista e escritor, é a pessoa certa para analisar as informações e levar a público o que de fato ocorreu.

Os registros começam em janeiro de 2155, pouco após os eventos mostrados no episódio Terra Prime de Enterprise.

Trip está angustiado com tudo que ocorreu nos últimos anos, coisas como o ataque Xindi que custou a vida de milhões e, entre eles, de sua irmã Elisabeth e os eventos mostrados em Terra Prime em que descobre que uma bebê foi gerado com os DNAs dele e de T´Pol apenas para ver essa criança morrer em seguida.

Achando que seu relacionamento com T´Pol não tem futuro e querendo fazer mais do que acha que pode como engenheiro-chefe para evitar que outras tragédias ocorram ele, através do Tenente Malcom Reed, se oferece para ajudar a Seção 31, que aparentemente naquela época tem intenções nobres, a proteger a Terra.

A seção 31 oferece a Trip uma missão arriscadíssima e quase suicida, infiltrar-se no Império Romulano que tem se mostrado uma grande ameaça para a Terra e para a recém formada coalizão de planetas. Para aceitar a missão sem deixar rastros que o liguem com a Terra e com a coalizão Trip terá que deixar tudo para trás sua carreira, sua família, seus amigos e sua vida.

A seção 31 com a ajuda de Malcom, do Dr. Phlox e do Capitão Archer (os dois últimos discordando da decisão de Trip) montam uma elaborada farsa e assim, Charles Tucker é morto exatamente como mostrado em These Are The Voyages… , porém 6 anos antes do que a história registra.

A partir daí começa uma trama de espionagem que leva Trip a aliens que conhecem os Romulanos e, após uma cirurgia plástica e outras preparações, a se infiltrar em Romulus.

Romulus planeja realmente por fim ao que considera uma das maiores ameaças a existência do Império a criação de uma aliança de planetas. Este é o mais comovente dos três livros já publicados, os autores retratam muito bem todos os personagens que já conhecemos e as motivações que impulsionam Trip em sua Jornada, também passamos a conhecer melhor a sua família e história pessoal.

O recurso de ao longo da história termos comentários de Jake e Nog também dão uma idéia de o quanto a história oficial foi alterada e de porque Trip, embora um oficial competente e importante na primeira Enterprise tenha uma aura de grande herói lendário, embora oficialmente nada seja registrado. A razão de tudo isso? Ainda iremos descobrir.

Os autores, trekkers evidentemente, recheiam este, e os livros seguintes, de explicações e referências a fatos mostrados nas outras produções de Jornada, em especial na Série Clássica, além disso, somos apresentados a outras versões do que teria ocorrido com Coridian Prime e de outros fatos históricos da Federação. Também começa a ficar esclarecido o que de fato Vulcano e a Terra sabiam sobre os Romulanos antes dos fatos mostrados no episódio “O Equilíbrio do Terror” da Série Clássica.

Com muita intriga, ação, espionagem, tragédia e drama o livro prende a atenção da primeira à última página e deixa um gostinho de quero mais.

Kobayashi Maru (lançado em 2008)

A história começa em 22 de maio de 2155, as naves cargueiras da coalizão estão sendo atacadas por um agressor não identificado, o que leva a Enterprise e as outras naves da Terá a deixar de lado a exploração do espaço para passarem a cuidar da escolta e proteção dos cargueiros.

Archer está preocupado com essa situação, ele tem certeza que os Romulanos estão por trás desses ataques, sabe que o crescente medo e incerteza enfraquecem cada vez mais os tênues laços que mantém unida a coalizão. Estar a muito tempo sem notícias de Trip apenas aumenta a sua preocupação e angústia.

Enquanto isso o cruzador de batalha klingon Sim’yoH entra em batalha com naves romulanas apenas para seu comandante aprender, da pior maneira possível, que, de alguma maneira, os Romulanos conseguem deixar sua poderosa nave inoperante.

Em Romulus, Trip contínua sua missão de retardar os avanços Romulanos e enviar informações à Frota Estelar, porém sente que a descoberta de seu disfarce é iminente.

O mais dramático dos livros, Kobayashi Maru não utiliza o recurso das intervenções de Jake e Nog na narrativa para mostrar que tudo está conduzindo para a guerra total e, o pior, que a vantagem e preparação romulana é enorme, principalmente com o desenvolvimento de uma nova e terrível arma que pode fazer toda a diferença no resultado dessa guerra.

Enquanto o primeiro livro é mais focado em Trip, neste Archer é o personagem principal. As dramáticas e polêmicas decisões que o capitão da Enterprise terá que tomar irão dividir a sua tripulação e assombrar a sua consciência para sempre. A tragédia também atinge diretamente outro tripulante da Enterprise.
Os autores ainda nos brindam dando explicações para o nome do famoso teste da academia que leva o mesmo nome do livro e para a cultura gangster mostrado no episódio “Por um Pedaço da Ação” da Série Clássica.

THE ROMULAN WAR – BENEATH THE RAPTOR’S WING (lançado em 2009)

A história se inicia em 22 de julho de 2155 e agora a guerra com o Império Romulano é uma trágica e ameaçadora realidade.

Com sua nova e estratégica arma Romulus avança no caminho de seu alvo principal, o centro da recém formada e já bastante desgastada coalizão, a Terra.

Archer está determinado a parar essa guerra custe o que custar, mesmo com sérios descontentamentos e divisões entre suas tripulações, enquanto Trip se vê numa rede de desconfiança e espionagem que o leva de Romulus para Vulcano e parece interminável.

Para piorar a coalizão parece cada vez mais fragmentada e sua sobrevivência é incerta com um de seus membros tomando decisões que parecem para os outros quase traição enquanto o governo da Terra sofre com situações de refugiados e oposição interna.

O final é desesperador para a situação da Terra, porém somos lembrados que os oficiais da Frota fizeram um juramento após o ataque Xindi de que a Terra nunca mais sofreria um ataque de uma raça alienígena.

Escrito apenas por Michael A. Martin este é, em minha opinião, o mais fraco dos livros com a narrativa muito fragmentada se passando em vários cenários diferentes da Terra a Kronos e em muitas naves diferentes. Mesmo assim merece ser lido.
É também o livro que menos tem referências a futuros fatos e eventos, porém da a impressão que o autor começa a esboçar uma explicação para a tecnologia mostrada na série clássica parecer mais atrasada do que a mostrada em Enterprise, e não estamos falando apenas da diferença entre cenários de produções televisivas dos anos 60 e 2000.

SOBRE OS AUTORES

MICHAEL A. MARTIN

Teve seus primeiros contos de ficção científica publicados na revista “The Magazine of Fantasy & Science Fiction. Em parceria com Andy Mangels ele escreveu várias histórias em quadrinhos de Jornada para as editoras Marvel e Wildstorm e vários livros e Áudio-livros de Jornada nas Estrelas, também escreveu três obras baseadas na série de TV Roswell.

ANDY MANGELS

Além dos trabalhos em parceria com Martin ele é autor solo de vários trabalhos de, incluindo Iron Man: Beneath the Armor, Star Wars: The Essential Guide os Characters, também publicou vários artigos para o The Superhero Book: The Ultimate Encyclopedia of Comic-Book icons and Hollywood Heroes.

Além dos trabalhos publicados, Andy também é produtor, diretor e roteirista de documentários e extras para coleções de DVD de séries de TV como Ark II, He-Man and the Masters of Universe e Flash Gordon. Teve também vários trabalhos em quadrinhos publicados pela Marvel, DC, Dark Horse entre outras editoras.

ONDE ENCONTRAR

Além da Amazon um bom lugar para encontrar ou encomendar os livros de Jornada nas Estrelas é a Livraria Cultura em São Paulo, além de sempre ter alguns exemplares nas prateleiras de suas lojas, a livraria disponibiliza vários em seu site de vendas, tanto no site quanto em suas lojas também é possível encomendar os que não estejam disponíveis ou que estão sendo lançados.
O endereço do site é: http://www.livcultura.com.br.