NASA se inspira em aparelho médico de Jornada

Fonte: TrekBrasilis

Star-Trek-Dermal-RegeneratorQuem não se lembra do Regenerador Dérmico usado pela Dra. Beverley Crusher para cicatrizar rapidamente um corte no rosto do comandante Riker em A Nova Geração? Em colaboração com a empresa Grok Technologies, a NASA está desenvolvendo dois aparelhos portáteis semelhantes – BioReplicates e Scionic – que em breve poderão ser usados por astronautas na Estação Espacial Internacional, como parte do kit médico de emergência.

 

“Não é mais ficção científica. Todas as indicações são de que as ciências da vida no século 21 irão mudar dramaticamente durante as próximas décadas e a Grok está trabalhando para definir a vanguarda de uma nova onda científica”, disse o fundador e presidente da Grok Technologies, Moshe Kushman.

De acordo com o comunicado de imprensa, a NASA está “interessada no potencial dessas tecnologias para regenerar ossos e músculos”. A agência quer que esta tecnologia ajude na regeneração de tecidos dos astronautas durante as futuras viagens interplanetárias de longa duração, quando eles “estarão suscetíveis ao desenvolvimento de osteopenia, que é uma condição decorrente da perda de massa óssea, massa muscular e densidade óssea”.

regenerator dermalO BioReplicates regenera o tecido humano e constrói células humanas em 3D e, em conjunto com outro dispositivo, com patente pendente, trata da dor externamente. O objetivo é curar ferimentos leves quase que instantaneamente. Também irá permitir a criação de modelos 3D de tecidos humanos que poderiam ser usados ​​para testes de drogas e cosméticos, uma descoberta científica que pode eliminar completamente testes em animais.

O segundo dispositivo, Scionic, irá tratar da dor músculo-esquelética e inflamação externamente. Ele poderia eliminar a dor por meio de aplicações na pele sem o uso de drogas. Um dispositivo semelhante já está em uso na Agência Espacial Federal Russa (RKA). A versão russa, chamada Scenar, envia sinal elétrico leve através da pele da pessoa para afetar o sistema nervoso central e o cérebro. O cérebro reage a isso de forma semelhante aos analgésicos.

Uma ocorrência comum no espaço é uma condição chamada de osteopenia, que, devido à fraca ou inexistente gravidade, afeta os ossos dos astronautas e acelera a perda muscular. As novas patentes pode ser utilizadas para regenerar o tecido. Se esses aparelhos passarem com êxito em todas as fases de teste, vão se juntar a vários outros projetos pioneiros, que só foram vistos em filmes de ficção científica.

Anúncios

Premio para quem inventar um tricorder caseiro

Fonte: TrekBrasilis

tricorderEm 2012, a Fundação X PRIZE e a empresa de comunicações Qualcomm, inspiradas em grande parte por Jornada, lançaram um concurso que premiará com 10 milhões dólares qualquer pessoa ou equipe que conseguir desenvolver uma versão móvel e prática do Tricorder ficcional de Jornada, para que pessoas comuns possam usar em casa, sem auxílio médico. A competição continua e o Star Trek.com conversou com um especialista.

 

A missão dos concorrentes é criar um aparelho móvel que consiga diagnosticar pelo menos 15 doenças diferentes, além de ser capaz de medir comportamentos básicos da nossa saúde – saturação de oxigênio, pressão, temperatura, frequência cardíaca, entre outros. As inscrições encerraram em agosto e o prêmio deve ser entregue em junho de 2015.

A entrevista foi feita com o  Dr. Erik Viirre, Diretor Técnico/Médico e coordendor do evento.

Quem, na verdade, surgiu com a idéia de usar Jornada e o dispositivo Tricorder como a inspiração para esta competição?

DR. Viirre: No início de dezembro de 2010, Peter Diamandis, presidente e CEO da XPrize, reuniu-se com Don Jones, vice-presidente de estratégia global e desenvolvimento de mercado para a Qualcomm Life. Durante essas conversas a coisa do prêmio começou a tomar forma rapidamente. Don viu como o prêmio conceitualmente levaria ao desenvolvimento de um dispositivo semelhante ao famoso Tricorder, e iniciou uma reunião com Paul Jacobs, presidente e CEO da Qualcomm e presidente da Fundação Qualcomm. Paul Jacobs imediatamente viu o valor potencial da competição. A Fundação Qualcomm concordou em patrocinar a competição, permitindo que o Tricorder XPrize se tornasse uma realidade, que culminou com o lançamento da Qualcomm Tricorder XPrize na Consumer Electronics Show, em janeiro de 2012. Com a licença da CBS, o conceito e o nome foi um enorme impulso para a competição, porque a tecnologia deslumbrou os fãs da série, mas a licença fez muito sentido por causa da influência tecnológica da série e suas idéias.

O concurso foi anunciado em 2011 e iniciado em 2012. Que tipo de reação tem chegado por parte da comunidade científica?

DR. Viirre:  Imediatamente, após a discussão do conceito do prêmio, houve grande interesse médico, científico e tecnológico. Médicos cientistas, médicos e engenheiros de renome mundial se reuniram para colocar o projeto em conjunto. Nosso melhor exemplo desse interesse foi o anúncio formal pela FDA (órgão governamental dos Estados Unidos responsável pelo controle dos alimentos) que daria suporte para o nosso prêmio. Isto, junto com tantos outros parceiros da ciência e tecnologia, significa que estamos à beira de um evento que mudará o mundo. Sabemos que os fãs de Jornada estão predominante em organizações como a NASA, mas as escolas médicas e de bioengenharia estão cheias de fãs que queriam trazer a tecnologia de Jornada para o século 21.

Para o seu conhecimento, quantas empresas ou equipes estão disputando o prêmio?

DR. Viirre:   A partir de hoje, há 41 equipes inscritas de 9 países para a competição.

Para fazer este trabalho, o dispositivo precisa combinar saúde, tecnologias / inovações de um móvel e sem fio. Então, você está vendo as empresas realmente unindo forças para colaborar com esse projeto? São divisões dentro das empresas se unindo? 

DR. Viirre: Nós acreditamos que a colaboração entre empresas, universidades será necessário para ganhar o prêmio. Todos os requisitos são tecnicamente viáveis ​​agora, mas a vasta gama de capacidades necessárias para vencer significa muito pouco, as entidades terão tudo por conta própria. A colaboração é uma obrigação.

Qual é o cronograma a partir daqui? A inscrição está encerrada, então, quais são os próximos passos?

DR. Viirre:   As equipes têm de estar trabalhando com cuidado agora para serem capazes de competir na fase de qualificação e nas finais. No inverno de 2014, elas vão apresentar a documentação de suas tecnologias propostas, como medir sinais vitais, avaliar as condições de saúde e envolver todos os sistemas em uma plataforma móvel utilizável. A enorme diferença entre os tricorders da competição e da série é que você não vai precisar do Spock e nem do Dr. McCoy para entender como usá-lo. Esses aparelhos serão construídos para o consumidor médio.

Na primavera de 2014 um painel de jurados especialistas irá rever os planos propostos das equipes. Dez finalistas serão selecionados e notificados de que podem construir um hardware que será testado usando pessoas reais. Esses testes serão feitos no inverno e na primavera de 2015.

O vencedor é escolhido … então o quê?Como é que o avanço do produto a partir do protótipo para a realidade? Como isso rapidamente pode ser alcançado? E qual é o seu palpite de como torná-lo acessível à pessoa comum?

DR. Viirre:  Competindo para o nosso prêmio, todas as equipes terão um longo caminho para serem capazes de obter as tecnologias de seus laboratórios e em frente a comunidade médica e o público em geral.Diferentes países têm diferentes requisitos regulamentares, mas porque a nossa concorrência é baseada nos EUA e o regulador mais importante é a FDA, as equipes terão que determinar cuidadosamente como ter seus sistemas aprovados. O FDA está extremamente interessado nesta nova área de tecnologia e é um parceiro ativo no aconselhamento dos nossos competidores. Algumas equipes vão construir sistemas para os EUA e outras para outros países. Se as equipes seguirem o aconselhamento adequado e tendo a sua papelada pronta, então elas ainda terão alguns meses de testes e apresentações para obter as aprovações que precisam após a competição se encerrar. Acreditamos que, com os telefones móveis inteligentes agora, dezenas de milhões destes sistemas serão vendidos, mesmo nos primeiros anos. Não só os consumidores, mas os governos e as seguradoras vão ver a enorme melhoria nos cuidados da saúde que virá a partir de dispositivos do tipo Tricorder, e esses números irão garantir um preço justo para todos.

Você é fã da franquia? Qual é a sua parte favorita da Treknologia? 

DR. Viirre: Eu sou um fã de longa data de Jornada. Eu assisti a série original quando estava na escola e posso dizer-lhe qual é o episódio em 10 segundos. Eu vou conseguir levar meu próprio Tricorder agora, e vou ter tecnologia do XPrize embutida. Eu conheci a maioria do cenário da ponte da 1701C, incluindo o Capitão Kirk, Sr. Spock, Uhura, e o Sr. Sulu. Infelizmente, eu nunca cheguei a conhecer DeForest Kelley. No entanto, este ano tive alunos de engenharia que construíram uma réplica da cama da ala médica da Enterprise, para a investigação médica real. O monitor da enfermaria que poderia medir o funcionamento do seu corpo tão logo você se deitasse na cama era a minha treknologia favorita, e eu estou construindo isso!

Conforme informação do site oficial Tricorder XPRIZE, existe uma equipe de Curitiba na competição, mas por questões de sigilo não são divulgados os nomes. Boa sorte a todos.

Galaxy S4 poderá ser transformado em estação de saúde, diz site

Fonte: Olhar Digital

Aparelho seria ligado a acessórios opcionais para fornecer informações sobre usuário

Saúde digital

O Galaxy S4 não deve ser apenas a continuação da família de smartphones top de linha da Samsung. Rumores indicam que a empresa quer transformar o aparelho em uma estação particular de saúde.

O site coreano Daum.co.kr noticiou que os usuários poderão usar acessórios opcionais para coletar informações sobre si próprios a partir do smartphone.

A Samsung investe ativamente na área de saúde e costuma ser alvo de startups médicas que querem investimento para suas criações.

No ano passado, a marca lançou um aplicativo chamado Health S que, conectado a dispositivos médicos, fornecia informações sobre a pessoa. Mas ele só foi disponibilizado em determinados mercados e, segundo o Android Authority, não foi bem divulgado.

A diferença é que o S4 poderá ser modificado a ponto de ser visto como uma central de saúde, a partir da instalação de aplicativos que serão reunidos em um app pré-instalado. Já há recursos similares, mas de outros segmentos, como jogos, leitura e mídias sociais.

Assistir a reprises na TV pode ajudar cérebro a repor energias

Fonte – Terra Saúde

 Foto: Getty Images

Estudo concluiu que assistir novamente programas favoritos aumenta o auto controle e a força de vontade
Foto: Getty Images


Se você adora sentar em frente à TV para assistir ao seu seriado favorito, boa notícia: cientistas afirmam que isto pode dar um impulso mental. De acordo com informações do jornal inglês Daily Mail, pesquisadores da Universidade de Buffalo, nos Estados Unidos, descobriram que as pessoas registraram aumento de força de vontade e auto controle depois destas “sessões”. O estudo mostrou ainda que o desempenho para montar quebra-cabeças também melhorava após assistir novamente episódios já vistos há algum tempo.

“Quando você assiste novamente os episódios de seu série favorita, normalmente não usa nenhum esforço para controlar o que está pensando, dizendo ou fazendo. Você não está gastando a energia mental necessária para o auto controle ou a força de vontade. Ao mesmo tempo, a pessoa está aproveitando a “interação” com os personagens na TV e esta atividade repõe as energias”, explicou a Dra. Jaye Derrick, responsável pela pesquisa.

Ela disse ainda que assistir reprises na TV reabestece as energias que foram utilizadas e completam as reservas. “As pessoas têm um limite destes recursos mentais e depois de atividades, eles são reduzidos e consequentemente, terão menos energia para as próximas ações. Com tempo suficiente, estes recursos irão se recompor, mas há maneiras de acelerar este processo”, afirmou Derrick.

No entanto, o time de pesquisadores descobriu que este resultado é apenas observado quando as reprises são assistidas e que, ver novos programas e episódios não apresenta nenhum efeito. “O efeito de reposição de energia que encontrei é específico para assistir novamente aos programas de TV preferidos. Somente assistir a qualquer programa na TV não traz estes benefícios”, esclareceu.

Assistir um episódio inédito do programa predileto também não tem efeito algum. “Baseada em minha pesquisa, argumento que assistir televisão não é de todo mal. Enquanto há uma série de estudos que demostram que a violência nas telas aumenta a agressividade e que ficar sentado no sofá em frente ao aparelho contribui para o crescimento dos índices de obesidade, mostrei que  assistir ao programa favorito traz uma série de benefícios e pode melhorar o bem estar geral”, disse a pesquisadora.

Nos dois estudos divulgados por ela no jornal Social Psychological and Personality Science, foram aplicados testes a duas turmas, a primeira recebeu uma série de perguntas que exigia uma maior concentração e a segunda, menor esforço para responder. Em seguida, um grupo descreveu sua série preferida e o outro os objetos de seu quarto. Foi medido também os níveis de redução ou aumento de força de vontade e observado que os que descreveram o programa de TV tiveram resultados mais significativos, indicando que as pessoas gostariam de passar mais tempo pensando sobre a atração. Além da reposição de energia, este grupo mostrou mais habilidade em montar um difícil quebra-cabeça.

O segundo estudo fez uma análise diária medindo esforço, consumo de mídia e níveis de energia. As pessoas que passavam por provas mais difíceis tinham mais tendência em assistir novamente um show, um filme ou ler de novo um livro. “Em outras palavras, houve um efeito mensurável restaurador de um mundo familiar de ficção”, definiu Derrick.

Uma nova pesquisa deverá analisar outros efeitos psicológicos da TV. “Eu descobri, por exemplo, que os programas prediletos melhoram o comportamento em comunidade. Especificamente, depois de pensar nestas atrações, as pessoas ficam mais dispostas a perdoar outras, a ajudar estranhos e fazer sacrifícios em nome dos parceiros”, explicou.