Tradutor universal mais próximo de Jornada

Fonte: TrekBrasilis

universal translatorA barreira linguística nunca foi um problema para os personagens de Jornada em razão do tradutor universal, tecnologia essa considerada, para alguns, fantasiosa ou futurista. Mas ao que parece, esse futuro já começou. A Skype e a Microsoft Translator estão apresentando um aparelho que funcionará em conversas em vídeo realizando traduções em áudio e texto.

 

A Microsoft anunciou o que classifica de enorme avanço em matéria de tradução simultânea e disse que oferecerá uma versão de testes através do Skype, sua unidade de mensagens, até o fim de 2014. Com a novidade, chamadas de vídeo pela aplicação entre pessoas que falam diferentes idiomas poderiam ter uma tradução simultânea de texto.

tradutor_universal 2A empresa exibiu seu novo Skype Translator no evento Code Conference, realizado nesta terça, na Califórnia, afirmando que torna realidade a visão do “tradutor universal” de Star Trek.

“A Skype sempre foi de quebrar barreiras”, disse Gurdeep Pall , vice-presidente corporativo da Skype e Lync da Microsoft. “E a barreira da língua é enorme. Sempre foi um bloqueador para a produtividade e conexão humana. O Skype Tradutor nos ajudará a superar essa barreira. Você vai ter a certeza de que poderá se comunicar com qualquer pessoa, sem barreiras linguísticas”.

“Estamos ainda nas primeiras fases desta tecnologia, mas a visão de Star Trek sobre um tradutor universal não está a uma galáxia de distância e seu potencial é tão excitante quanto os exemplos de Star Trek”, afirma em seu blog Gurdeen Pall.

Na ocasião, foi apresentado um bate-papo mostrando uma tradução de alemão para inglês e vice-versa (há 40 idiomas na lista de línguas do aplicativo). O diálogo foi exibido nos dois idiomas tanto em áudio quanto em legenda (alguns alemães que estavam no evento disseram que a tradução estava “boa”). Você pode ver a apresentação neste video.

“O produto, resultado de anos de pesquisas na Microsoft, estará disponível como aplicativo no Windows 8 antes do fim do ano”, disse Pall.

NASA se inspira em aparelho médico de Jornada

Fonte: TrekBrasilis

Star-Trek-Dermal-RegeneratorQuem não se lembra do Regenerador Dérmico usado pela Dra. Beverley Crusher para cicatrizar rapidamente um corte no rosto do comandante Riker em A Nova Geração? Em colaboração com a empresa Grok Technologies, a NASA está desenvolvendo dois aparelhos portáteis semelhantes – BioReplicates e Scionic – que em breve poderão ser usados por astronautas na Estação Espacial Internacional, como parte do kit médico de emergência.

 

“Não é mais ficção científica. Todas as indicações são de que as ciências da vida no século 21 irão mudar dramaticamente durante as próximas décadas e a Grok está trabalhando para definir a vanguarda de uma nova onda científica”, disse o fundador e presidente da Grok Technologies, Moshe Kushman.

De acordo com o comunicado de imprensa, a NASA está “interessada no potencial dessas tecnologias para regenerar ossos e músculos”. A agência quer que esta tecnologia ajude na regeneração de tecidos dos astronautas durante as futuras viagens interplanetárias de longa duração, quando eles “estarão suscetíveis ao desenvolvimento de osteopenia, que é uma condição decorrente da perda de massa óssea, massa muscular e densidade óssea”.

regenerator dermalO BioReplicates regenera o tecido humano e constrói células humanas em 3D e, em conjunto com outro dispositivo, com patente pendente, trata da dor externamente. O objetivo é curar ferimentos leves quase que instantaneamente. Também irá permitir a criação de modelos 3D de tecidos humanos que poderiam ser usados ​​para testes de drogas e cosméticos, uma descoberta científica que pode eliminar completamente testes em animais.

O segundo dispositivo, Scionic, irá tratar da dor músculo-esquelética e inflamação externamente. Ele poderia eliminar a dor por meio de aplicações na pele sem o uso de drogas. Um dispositivo semelhante já está em uso na Agência Espacial Federal Russa (RKA). A versão russa, chamada Scenar, envia sinal elétrico leve através da pele da pessoa para afetar o sistema nervoso central e o cérebro. O cérebro reage a isso de forma semelhante aos analgésicos.

Uma ocorrência comum no espaço é uma condição chamada de osteopenia, que, devido à fraca ou inexistente gravidade, afeta os ossos dos astronautas e acelera a perda muscular. As novas patentes pode ser utilizadas para regenerar o tecido. Se esses aparelhos passarem com êxito em todas as fases de teste, vão se juntar a vários outros projetos pioneiros, que só foram vistos em filmes de ficção científica.

Cientistas constroem sensor estilo tricorder

Fonte: TrekBrasilis

Scanadu ScoutImagine um mundo onde um aparelho portátil digitaliza seu corpo e diagnostica doenças em segundos, reduzindo visitas hospitalares e potencialmente pode salvar sua vida. Pode soar como coisa de Jornada, mas engenheiros da Califórnia desenvolveram uma versão da vida real de um tricorder médico da série. O Scanadu Scout pode ler a temperatura de uma pessoa, a frequência cardíaca, os níveis de oxigênio no sangue, e mais, simplesmente sendo colocada sobre a testa.

 

O Scout consegue fazer uma leitura de uma pessoa por 10 segundos. Sensores embutidos estabelecem o batimento cardíaco, temperatura, oximetria, respiração, stress, índice de álcool e até consegue dizer se uma mulher está grávida. Ele funciona de forma semelhante ao tricorder médico usado em Jornada, aquele que podia fazer a varredura do corpo de uma pessoa em busca de sinais vitais.

scout 1

O Scout liga-se ao smartphone através do WiFi e a aplicação mostra o parecer médico de acordo com o histórico médico da pessoa e uma base de dados mundial na qual se baseia para tomar as decisões.

Outra das maneiras de interagir com o Scanadu Scout é através de fotografias tiradas com a aplicação no smartphone pois a cor do paciente também é avaliada.

O aparelho foi desenvolvido pela empresa Scanadu localizada no Ames Research Center da NASA, Califórnia.

Um protótipo foi revelado pela primeira vez em 2012 e é o mais recente modelo em exposição no Consumer Electronics Show (CES) em Las Vegas.

scout 2Os fabricantes afirmam que o dispositivo é 99 por cento preciso, em menos de 10 segundos.

O pseudo tricorder usa um adaptador micro-USB que pode ser ligado a uma porta USB, e leva menos de uma hora para carregar a bateria. Quando ele está sendo usado algumas vezes todos os dias, a bateria dura cerca de uma semana, diz a empresa.

O scout era esperado ir à venda até o final de 2013, mas a empresa ainda não anunciou quando estará amplamente disponível no mercado. Ele terá de ser aprovado pela Food and Drug Administration dos EUA antes que possa ir ao mercado.

Antimatéria nos moldes de Jornada pode existir

Fonte: TrekBrasilis

warp coreOs cientistas estão desenvolvendo um teste para antigravidade que pode revolucionar a física e mudar a nossa forma de entender o universo.  Todo fã de Jornada sabe que a antimatéria é o combustível que permite a Enterprise impulsionar entre as estrelas. Mas agora os cientistas acreditam que podem ter chegado a um passo de investigar a antimatéria e a teoria de que ela é capaz de mover-se contra a gravidade.

Físicos do CERN (Organização Europeia para a Pesquisa Nuclear) estão usando uma garrafa magnética especial para produzir e armazenar átomos de anti-hidrogênio, ou de antimatéria.

O plano da equipe CERN é ver se os átomos “caem para cima”. Neste caso, dizer que eles “caem para cima” não é absurdo. O fenômeno ocorre porque a antimatéria gera um campo antigravitacional, pois tem carga oposta à da matéria convencional. Por este motivo, ambas se aniquilam quando entram em contato. Se os átomos vão para cima, em vez de para baixo com gravidade, os cientistas descobrirão novas propriedades gravitacionais da antimatéria e toda a teoria da física pode ser transformada.

O Professor Jeffrey Hangst, chefe da equipe de construção do experimento Alpha-2 no Cern, disse ao Sunday Times: “Em termos simples, se colocarmos a antimatéria em um campo gravitacional como o da Terra, ela cairá para cima ou para baixo?”

A teoria de que a antimatéria pode criar um campo anti-gravitacional que repele qualquer coisa ao seu redor, poderia ser usado para impulsionar aviões sem utilizar quase nenhum combustível ou naves em viagens espaciais, como as da série Jornada nas Estrelas.

É extremamente difícil conseguir criar e preservar formas complexas de antimatéria, já que ela é muito instável e, ao interagir com as partículas convencionais, ambas se anulam, resultando numa profusão de energia. Os pesquisadores do CERN estão utilizando um recipiente magnético especial para preservar os átomos de anti-hidrogênio criados. A ideia é ir enfraquecendo aos poucos o campo magnético – se os átomos contrariarem a gravidade terrestre e “caírem para cima”, ficará comprovado que se tratam de antimatéria.

O aprofundamento nos estudos e experimentos envolvendo a substância são particularmente interessantes para a exploração espacial. Até agora, é de longe o método mais eficiente conhecido com a possibilidade de nos levar até as estrelas.

Game Star Trek Trexels para iPhone e iPad

Fonte: TrekBrasilis

Star Trek TrexelsO Game Cube, YesGnome e a LLC se uniram para apresentar Star Trek Trexels, um jogo para celular que permite ao usuário de iPhone, iPad e iPod se alistar na Frota Estelar e a comandar sua própria nave. O jogo é definido dentro do universo original de Jornada e contará com personagens e locais, tanto da série original quanto de A Nova Geração.

“A USS Valiant foi destruída por um atacante desconhecido, e a Frota escolheu você para continuar a sua missão em uma área misteriosa do espaço conhecida como Expansão Trexelian. Construa sua nave, escolha sua equipe, marque o destino da Valiant, e explore a vastidão em nome da Federação”. Este é o anuncio da YesGnome sobre o game.

Star Trek Trexels possui gráfico 8-bit, interface LCARS ao estilo A Nova Geração, capacidade 49 MB. Também é compatível com o iPhone 5.

De acordo com os criadores do jogo, ele colocará você frente a frente com inimigos antigos e novos aliados surpreendentes em uma região inexplorada do espaço. Ao longo do caminho, você encontrará personagens familiarizados com a série original e A Nova Geração, bem como novos aliens, tripulantes e planetas. O jogo também apresenta a música da série original, uma interface de usuário com base no sistema Biblioteca de acesso e tendo o George Takei servindo como narrador.

a trexels

“Nós estamos realmente inspirados no espírito da série original, especialmente no sentido de exploração e aventura,” disse Craig Bolin, Designer Sênior da YesGnome, em um comunicado. “Nosso objetivo não era apenas para dar aos jogadores a oportunidade de construir e personalizar suas próprias naves, mas a chance de viajar através de toda uma galáxia de novos mundos e civilizações estranhas”.

USE-TREXELS_SCREEN_iPad

“Estamos animados que os fãs venham a experimentar o universo de Jornada em toda a sua glória pixelizada “, disse Erika Winterholler, Diretora de Jogos para a CBS Interactive, “Acreditamos que com a música da série original, narração de George Takei, e clássicos cenários, Trexels irá trazer uma autêntica experiência para os fãs de Jornada nos dispositivos móveis”.

Motor para “dobra espacial” é possível e viável

Fonte: ViAki

Físico confirma que motor para “dobra espacial” é possível e viável
Modelos do equipamento já estão sendo testados em miniatura para comprovar a teoria

dobra-espacial-viuaki

Quem é fã de filmes de ficção científica com certeza já deve imaginar no que implica um motor para dobra espacial: com ele, seria possível viajar pelo espaço em velocidades muito maiores que a da luz. Isso se colocarmos tudo em termos bem simples, já que quem realmente seria acelerado é o próprio espaço e não o equipamento que realizaria a viagem. Complexo? Bastante, mas completamente possível também, segundo o físico Harold White.

Ele apresentou um modelo teórico para um motor de dobra possível e viável para ser construído e operado pelo homem. Na verdade, ele realizou diversos cálculos para resolver problemas da sua teoria anterior, que também trabalhava na ordem da aceleração do espaço, mas requeria quantidades realmente astronômicas de energia e massa. Estamos falando do equivalente a massa de Júpiter para criar o dito motor! Agora, com a teoria atualizada, o valor foi reduzido para menos de 800 kg.

Como isso poderia funcionar

De acordo com White, para criar um motor de dobra seria necessário posicionar um objeto esferoide no meio da nave espacial e fazer um anel se movimentar em volta dele de determinada maneira que pudesse contrair e expandir o espaço à sua volta, gerando uma bolha de dobra ao redor da espaçonave. O conceito é praticamente o mesmo — se visto de forma bem simples — que o presente em uma diversidade de obras de ficção científica do cinema, da TV e da literatura.

Físico confirma que motor para

Espaço-tempo seria acelerado para facilitar a viagem espacial (Fonte da imagem: Reprodução/io9)

Essa bolha de dobra seria capaz de movimentar o espaço em volta da nave, como se ela estivesse passando através de algo muito apertado. Assim, o movimento de expansão do espaço atrás da bolha seria o responsável por movimentar a nave a velocidades incríveis.

Fora isso, como a bolha de dobra posicionaria a nave em alguma situação “nas entranhas do espaço”, as leis da relatividade de Einstein não se aplicariam diretamente. Isso porque, diretamente, nada pode superar a velocidade da luz, mas o espaço pode se comprimir e expandir a qualquer velocidade, tornando a prática da dobra praticamente ilimitada.

White explica ainda as limitações práticas do seu modelo anterior, comentando sobre a rigidez do espaço. “O espaço-tempo é bem rígido/firme, então para criar a o efeito de expansão e contração de forma útil a fim de conseguirmos atingir destinos interestelares em uma quantidade de tempo razoável, seria necessário uma grande quantidade de energia”.

Como o motor se tornou viável

Para criar a solução para esse problema, White tentou realizar uma alteração no modelo de motor de Alcubierre, no qual tinha baseado sua primeira ideia. Em volta do objeto esferoide, seria necessário que um anel permanecesse girando. Alcubierre, entretanto, imaginou esse elemento como um cinto, um anel chato. Então, White teve a ideia de melhorar a forma desse elemento, tornando-o mais grosso, quase como uma rosquinha, no formato que aparece no modelo.

Foi com isso que os cálculos da quantidade de energia e massa do motor pularam do tamanho de Júpiter para 800 kg, o equivalente à sonda Voyager 1, que explorou o Sistema Solar nos últimos anos.

Físico confirma que motor para

Modelo alterado por White diminui a necessidade de massa. (Fonte da imagem: Reprodução/io9)

Resultados práticos

Todo esse trabalho feito por White baseado nas ideias de Alcubierre resultaria em velocidades incríveis de dobra. Nada comparado ao que víamos em Star Trek, em que a tripulação da USS Enterprise chegava a seus destinos em questão de segundos. Mas os resultados são bastante aceitáveis, já que poderíamos alcançar a estrela mais próxima do Sol em questão de semanas. Com isso, ir para Marte poderia ser como atravessar a rua em uma nave com um motor baseado nas ideias de White.

Além do mais, a viagem com o motor de White seria bastante precisa. Os ocupantes de uma espaçonave equipada com ele experimentariam uma sensação de movimento, mas a nave na verdade não estaria se movendo. Por conta disso, é possível parar esse efeito e recomeçá-lo com bastante precisão. Ou seja, calculando rotas com exatidão, você poderia alcançar qualquer planeta do nosso Sistema Solar sem acabar sendo sugado pela gravidade, podendo se posicionar em locais apropriados.

Experimentos

Depois de apresentar seu novo modelo de dobra espacial, White agora se ocupa em recriar miniaturas do seu motor a fim de comprovar sua teoria. Para isso, lasers estão sendo utilizados para recriar condições do espaço a fim de testar a capacidade dos protótipos.

White explica ainda que está realizando testes com um anel de capacitores de cerâmica, a fim de simular o efeito do anel em volta do esferoide original. Caso tudo corra bem, a NASA poderá recriar o equipamento em tamanho real em alguns anos, talvez décadas.

Capitão James Kirk vai comandar destróier

Fonte: TrekBrasilis

ZumwaltTodos sabem que o personagem capitão James Tiberius Kirk, da série Jornada nas Estrelas, é ficcional, mas por coincidência, em nosso mundo real, James Kirk é o nome do primeiro comandante do novo destróier da Marinha dos EUA, classe Zumwalt, lançado no estaleiro em Maine. Além disso o navio é um dos mais avançados em operações litorâneas e de ataque terrestre.

James Kirk diz que está acostumado com as brincadeiras sobre o nome que ele compartilha com o comandante da nave estelar Enterprise. Mas destaca que seu nome é, na verdade, James A. Kirk, sem o “Tiberius” do personagem.

Kirk Zumwalt“Eu não levo como qualquer ofensa”, disse Kirk em entrevista à Associated Press. “Se é um apelido útil que chama a atenção para ajudar-nos a fazer o que precisamos fazer para obter o navio na frota e em operações de combate, então isso é bom”.

As comparações com Jornada foram inevitáveis, não só pelo mesmo nome do personagem, mas como também pelo design do navio de estilo futurista. George Takei usou sua página no Facebook para apontar as semelhanças do nome Kirk.

Esse é o primeiro navio de guerra dos EUA que usa propulsão elétrica, e sua usina é capaz de produzir eletricidade suficiente para iluminar uma pequena cidade. Um dos seus grandes trunfos é o poder de fogo.

Sua missão principal será prover apoio de fogo naval e defesa aérea em áreas litorâneas, onde navios grandes são mais vulneráveis, e atuarão como navios-capitânia em grupos-tarefa compostos por LCS (Littoral Combat Ships) e submarinos.

“Capitão na ponte!”